“O ministério da saúde adverte dinheiro de menos faz mal a saúde”

Sem dinheiro não somos ninguém, sem ele não temos casa, nem comida na mesa, nem plano de saúde, nem viagens, nem dentista, nem roupas…

Por isto há pessoas que vivem com uma única ideia na cabeça “Poupar”, sempre preocupadas em juntar dinheiro. Mas quem passa uma vida se privando do lazer para juntar dinheiro vai usufruir da vida quando? Ele não tem valor quando chegamos ao fim da vida. Principalmente na hora da morte não adianta mais o tal de dinheiro.

Mas é claro que o dinheiro deve ser utilizado com muito cuidado e muita inteligência.

O que é ser consumista?

Hoje a tendência é que quanto mais dinheiro uma pessoa tem, mais desejos, luxos e falsas necessidades ela terá. Assim, não é justo que se diga que a pessoa é pouco consumista porque ela tem pouco dinheiro.

O único limite que se pode ter ao consumo é que cada um viva dignamente com o que ganha. Quanto mais dinheiro tivermos, maior será o consumo. Cada um de nós, nessa sociedade consumista, tem uma parcela dessa característica.

O fato é que as pessoas passam a vida inteira, trabalhado e se esforçado cada vez mais para pagar cada vez mais contas que elas mesmas criam, em virtude da necessidade de preencher um vazio dentro de si, em busca de auto-afirmação. Mas de repente os objetos perderam sua utilidade principal, viraram a competição por status. Quem tem mais, compra mais e mais…E vão perdendo o controle, quanto mais compram mais querem.

É lógico que temos o direito de realizar nossos sonhos de consumo. Mas uma vez conquistados, eles terminam? E o sonho de felicidade? E os momentos de paz e a convivência com as pessoas queridas? É preciso tomar bastante cuidado com o consumismo, que pode até virar doença.

Mas para o dinheiro trazer felicidade ele deve ser usado com muita cautela, porque um dia ele pode acabar.

Dicas para o dinheiro nunca acabar:

– Usar o dinheiro para satisfazer nossas necessidades básicas, mas também para conquistar um pouco de lazer e um pouco de felicidade.

– Realizar sonhos de consumo, que caibam no bolso.

– Juntar dinheiro para realizar os sonhos que ainda não cabem.

– Poupar todo mês sempre um pouquinho do salário para imprevistos ou projetos futuros.

– Ser responsável: só gastar o que se tem para gastar, procurando não se endividar.

– Deixar para dívida apenas financiamentos importantes: casa e carro, por exemplo. Comprometa no máximo 1/3 da sua renda com isso.

– Se precisar comprar algo, aguardar o melhor preço ou melhor oportunidade.

– Não se iludir com promoções. Aproveitar as promoções com cautela.

Dinheiro na mão é vendaval… Dinheiro na mão é solução e solidão… Mas é preciso viver… E viver não é brincadeira não!!!

Muita cautela com seu dinheiro!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *