Um pouco da vida da minha Vó Cecy

Vó Cecy e seu neto, Daniel.

Quero dedicar este Post à minha Vó Cecy querida que já se foi.

Vó Cecy era uma mulher simples, humilde, engraçada, de poucas palavras, com alguns defeitos, mas também muitas virtudes. Muito desconfiada, tinha suas manias e todos aceitavam sem problemas. Era muito preconceituosa, achava feio as roupas justas, curtas e muito decotadas, era muito crítica. Dizia frequentemente : “- Porque a fulana não fez aquela saia dois dedos mais cumprida.”, “- A fulana bebe e fuma como um homem, coisa feia.”, “- Como o marido da fulana deixa ela ficar se agarrando nas novelas.” e muitos outros.

Amava seu marido, mais do que tudo, foi muito ciumenta. Viveu praticamente só para a família.
Amava flores, principalmente orquídeas, cada vez que ela viajava, voltava para casa com vários vasos de plantas. Sempre que viaja, levava um dos netos para lhe fazer companhia.

Seu vocabulário era muito engraçado, de personalidade forte, mas de bom coração. Ela era um pouco de tudo, as vezes comédia, as vezes drama. Adorava viajar, passear de carro, era sempre a primeira a entrar no carro.

Usava uns ditados engraçados, assim como eu, aliás, muitos de seus netos usam até hoje. ” Ai Deus”, ” Tardes bem longas”, ” Tá boa a coisa aí”, “Coisa bem triste essa minha vida!”, “Já vou indo, porque o João ficou de cortar a grama lá em casa!”, ” Essa eu não conhecia!”, ” Cheiro bem forte…”, ” …já serviu café pro Carlos?”, ” Faz um favor prá vó, depois te dou uns trocos.”, “Essa sirigaita só come o que é bom.”, ” Cheiro de bicho morto.”, ” Não sou de muita comida, enrola, que eu levo para comer em casa.” …

Vó Cecy com a família no casamento de sua Neta Vanessa.

Um Pouco de sua Vida

Casou cedo, teve 6 filhos, 17 netos e muitos bisnetos, todos sempre tiveram muito respeito por ela. Foi uma mulher de poucos estudos, mas sempre gostou de ler e se informar sobre qualquer assunto. Estava sempre lendo, jornais, revistas, livros, (seu livro preferido era seleções), etc.. Adorava assuntos interessantes sobre natureza, atualidades, história de outros países,etc.. Andava sempre com uma revista ou jornal na mão, para ler mais tarde. Arrecadava nas casas das filhas, revistas e jornais diferentes para ler em casa. Sempre escrevia seu nome na capa da revista para ninguém levar enganado. Era uma pessoa bem informada sobre todos os assuntos.

Torcedora do inter, escutava os jogos pelo rádio, quando assistia pela tv, ficava muito nervosa, então preferia só escutar. Adorava contar histórias, sobre a vida dos atores para as visitas, sabia o nome e sobrenome de cada um. Quem era casado, solteiro, separado, etc..

Nasceu e cresceu no interior, vivendo com muito sacrifício, passando por muitas dificuldades, mas com muito capricho, sempre trabalhando, costurando, cuidando da casa, do jardim, dos animais de estimação, e de seus netos.

Depois que seus filhos estavam criados, sua vida melhorou bastante, ela começou a acompanhar suas filhas nos bailes, cinemas, não perdia nem um baile, carnaval, bailes no CTG, pois meu avó gostava muito de dançar, ( descobri porque eu gosto tanto de dançar) . Inclusive meu primeiro carnaval foi meu vô quem me levou, eu tinha 13 anos, adorei…Eles só deixaram de ir aos bailes quando meu vô adoeceu.

Vó Cecy e seu neto, Daniel.

Sabia como ninguém contar histórias reais de sua infância e juventude. Gostava muito de uma boa conversa.
Perdeu o marido cedo, de uma doença grave, e nunca aceitou a sua morte, se entregando ao sofrimento pelo resto de seus dias. Para completar sua infelicidade, perdeu também um filho que ela amava demais, alguns anos depois, perdeu um pouco de sua fé, mas logo em seguida recuperou, e continuou a rezar todos os dias. Somente em casa. Tinha muita fé em Deus, mas não gostava de ir a igreja, ela tinha as suas razões.

Vó Cecy tinha um coração maravilhoso, mas não sabia demonstrar afeto e carinho para as pessoas, quando ela recebia uma visita, oferecia balas, doces, “suco de coca-cola” Tssssssss. Foi uma vó coruja com o seu primeiro neto, se apegava a um neto e protegia demais, esquecendo as vezes dos outros, mas todos nós sempre entendemos e nunca deixamos de respeitá-la.

Foi uma mulher forte, guerreira, nunca teve nenhuma doença grave, teve seus filhos todos em casa, nunca precisou ir ao médico, só depois de bem mais velha. Adorava chás, fazia uma mistura de vários chás todos os dias, de manhã tomava uma limonada morna em jejum. Com o passar dos anos foi ficando surda, uma das netas, indicou aparelho para surdez, mas ela não se adaptou, e não usou muito tempo. Não conseguindo mais se comunicar com as pessoas, começou a se isolar, não participando mais das conversas familiares, apenas participava das festas em silêncio. Foi envelhecendo e se entregando aos pouquinhos, até seu último dia nesta vida.

“Um dia as pessoas e os animais, que fizeram parte de nossas vidas, de repente, vão embora. E nos damos conta que perdemos um pouco de nossa identidade. Mas quando estamos preparados espiritualmente aceitamos melhor as perdas. A melhor maneira de compreender as perdas, é saber que tudo pode ter fim, afinal sempre há um próposito para todas as coisas.”

“Esteja em paz Vó Cecy onde estiver.”

“Em qualquer dificuldade, não nos esqueçamos da oração… Elevemos o pensamento à Deus, procurando sintonia com os espiritos bons.” Chico Xavier

Beijos da tua neta,

Seja o primeiro a comentar em "Um pouco da vida da minha Vó Cecy"

Comente isso

Seu e-mail não será publicado.


*